segunda-feira, 17 de agosto de 2015

O Tripé do Cristianismo

Quando Jesus esteve entre nós, humanamente falando, ele nos deixou um legado de exemplos para seguirmos e, com isso, nos tornarmos pequenos Cristos sobre a terra, levando as boas novas do Evangelho àqueles que ainda se encontram enredados pelo sistema reinante. Enquanto homem, Cristo sempre foi um ser completo e podemos observar, claramente, três aspectos do seu ministério que devemos desenvolver durante nossa jornada nesta vida. Mas que aspectos são estes?

No filho de Deus percebemos o seguinte: Ortodoxia, ortopraxia e ortopatia. Tentarei de forma sucinta expor estes três pontos a seguir para compreendermos melhor o que é ser um discípulo de Jesus e consequentemente como deve ser a igreja que professa o nome do Cristo ressurreto.

Ortodoxia - Basicamente a palavra significa doutrina correta. Em Jesus vemos uma doutrina que não somente se baseia nas escrituras mas que provém do alto e que dá uma interpretação firme, correta e eficaz dos textos sagrados. Jesus não se prende em devaneios teológicos obscuros, mas vai direto ao ponto de cada questão mostrando que não se deve torcer os escritos para satisfazer um sistema de valores, mas interpretá-los de forma justa e sem rodeios, mesmo quando isso signifique humilhar-se diante das verdades irrefutáveis da Palavra de Deus.

Ortopraxia - Podemos ler como a prática correta das verdades bíblicas. Ao longo de sua caminhada ministerial encontramos o Filho do Carpinteiro colocando em prática os seus ensinamentos, curando enfermos e doentes, libertando os cativos, consolando os desesperados, recebendo os excluídos, alimentando os famintos, ou seja, Jesus não apenas prega o Evangelho mas também o pratica de forma integral, sem titubear ou recuar, levando esta prática as últimas consequências ao entregar-se para ser morto na cruz.

Ortopatia - Trás o sentido de sentimento correto. Jesus fez tudo o que fez movido por uma paixão baseada na obediência ao Pai e no amor incondicional a humanidade. Os sentimentos funcionam como combustível da fé e estão diretamente ligados ao campo da espiritualidade atuando como canal para que a trascendência de Deus possa se manifestar em nosso mundo natural. Pois apesar de ser Deus, somente pelo poder do Pai através do Santo Espírito é que o homem Jesus pôde manifestar o sobrenatural em seu ofício ministerial.

Fracos e dependentes que somos, dificilmente conseguimos desenvolver estes três aspectos de forma plena e equilibrada e tendemos a beneficiar uns em detrimento de outros. Mas isso não é um problema em si. Deus sabia disso o tempo todo e por essa razão deu diferentes capacitações par cada um de nós a fim de que, juntos, possamos ser um e fazer o todo. Com a igreja (institucional) não é diferente. Cada denominação enfatiza uma dessas características mais do que as outras e Deus também já sabia disso. A questão é: Será que as denominações entendem que o Reino funciona assim? Não é o que vemos acontecer.

Ao contrário de ficar satisfeitos por saber que existem grupos complementando o que não é feito por uma comunidade, o que assistimos é uma guerra de egos inflados que afirmam, orgulhosos e prepotentes, deter a doutrina, a pratica e a motivação correta e diminuem Deus ao declarar que fora do seu sistema, Deus não pode operar de maneira eficaz. E seguem vituperando o Cristo ao elencar um cabedal de regras que devem ser seguidas a risca, como uma receita mágica de sucesso.

Não, não é isso que o Messias nos ensinou. O apóstolo Paulo deixa isso bem claro em 1 Co 3, nos versículos 7 e 8 quando escreve: Por isso, nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento. Ora, o que planta e o que rega são um; mas cada um receberá o seu galardão segundo o seu trabalho. A igreja precisa entender que somos todos membros de um mesmo corpo e não é o consenso que nos faz prosseguir mas sim o dissenso. São as nossa diferenças que promovem a vasta abrangência do Reino e é assim que devemos prosseguir. Nos amando, ajudando, suportando, repartindo e comungando num mesmo espírito. Que Deus abençoe esta geração que surge com uma nova consciência da multiforme unidade da Igreja em Cristo Jesus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário